Marcado: pintura

Resumo da historia da Pintura

Resumo da historia da Pintura

Pintura é uma técnica que utiliza pigmentos em forma líquida para colorir uma superfície, atribuindo tons e texturas, esta superfície pode ser tela, papel ou parede. A pintura é diferente do desenho por usar pigmentos líquidos.

A cor é o elemento essencial da pintura. A estrutura fundamental de uma obra é composta pela relação entre as massas coloridas.

A pintura faz parte da vida do ser humano desde o Renascimento, foi umas das principais formas de representação dessa época, está presente nos dias atuais.

A pintura se expressa através da superfície onde será produzida e dos materiais, como pincéis e tintas, que lidam com os pigmentos.

Além da pintura convencional existe a pintura figurativa, que é a reprodução de um tema familiar à realidade natural ou interna do artista.
A pintura refere-se genericamente à técnica de aplicar pigmento em forma pastosa, líquida ou em pó a uma superfície, a fim de colori-la, atribuindo-lhe matizes, tons e texturas.

Em um sentido mais específico, é a arte de pintar uma superfície, tais como papel, tela, ou uma parede (pintura mural ou de afrescos).  Devido ao fato de grandes obras de arte, tais como a Mona Lisa e A Última Ceia, do renascentista Leonardo Da Vinci, serem pinturas a óleo, a técnica é historicamente considerada uma das mais tradicionais das artes plásticas. Com o desenvolvimento tecnológico dos materiais, outras técnicas tornaram-se igualmente importantes como, por exemplo, a tinta acrílica.

Resumo da historia da Pintura

Diferencia-se do desenho pelo uso dos pigmentos líquidos e do uso constante da cor, enquanto aquele apropria-se principalmente de materiais secos.

No entanto, há controvérsias sobre essa definição de pintura. Com a variedade de experiências entre diferentes meios e o uso da tecnologia digital, a ideia de que pintura não precisa se limitar à aplicação do “pigmento em forma líquida”. Atualmente o conceito de pintura pode ser ampliado para a “representação visual através das cores”. Mesmo assim, a definição tradicional de pintura não deve ser ignorada. O concernente à pintura é pictural, pictórico, pinturesco, ou pitoresco.

Cor (Resumo da historia da Pintura)

Na pintura, um dos elementos fundamentais é a cor. A relação formal entre as massas coloridas presentes em uma obra constitui sua estrutura básica, guiando o olhar do espectador e propondo-lhe sensações de calor, frio, profundidade, sombra, entre outros. Estas relações estão implícitas na maior parte das obras da História da Arte e sua explicitação foi uma bandeira dos pintores abstratos ou não-figurativos. A cor é considerada por muitos artistas como a base da imagem.

Resumo da historia da Pintura

A pintura acompanha o ser humano por toda sua história. Ainda que durante o período grego clássico não tenha se desenvolvido tanto quanto a escultura, a Pintura foi uma das principais formas de representação dos povos medievais, do Renascimento até o século XX.

Mas é a partir do século XIX com o crescimento da técnica de reprodução de imagens, graças à Revolução Industrial, que a pintura de cavalete perde o espaço que tinha no mercado. Até então a gravura era a única forma de reprodução de imagens, trabalho muitas vezes realizado por pintores. Mas com o surgimento da fotografia, a função principal da pintura de cavalete, a representação de imagens, enfrenta uma competição difícil. Essa é, de certa maneira, a crise da imagem única e o apogeu de reprodução em massa.

No século XX a pintura de cavalete se mantém através da difusão da galeria de arte.

Mas a técnica da pintura continua a ser valorizada por vários tipos de designers (ilustradores, estilistas, etc.), especialmente na publicidade. Várias formas de reprodução técnica surgem nesse século, como o vídeo e diversos avanços na produção gráfica.

A longo do século XX vários artistas experimentam com a pintura e a fotografia, criando colagens e gravuras, artistas como os dadaístas e os membros do pop art, só para mencionar alguns. Mas é com o advento da computação gráfica que a técnica da pintura se une completamente à fotografia. A imagem digital, por ser composta por pixels, é um suporte em que se pode misturar as técnicas de pintura, desenho, escultura (3D) e fotografia.

A partir da revolução da arte moderna e das novas tecnologias, os pintores adaptaram técnicas tradicionais ou as abandonaram , criando novas formas de representação e expressão visual.

Pintura figurativa e abstrata (Resumo da historia da Pintura)

 

Quando o artista pretende pintar num quadro uma realidade que é familiar, natural e sensível ou interna, a pintura é essencialmente a representação pictórica de um tema: é uma pintura figurativa. O tema pode ser uma paisagem (natural ou imaginada), uma natureza morta, uma cena mitológica ou cotidiana, mas independente disto a pintura manifestar-se-á como um conjunto de cores e luz. Esta foi praticamente a única abordagem dada ao problema em toda a arte ocidental até meados do início do século XX.

A partir das pesquisas de Paul Cézanne, os artistas começaram a perceber que era possível lidar com realidades que não necessariamente as externas, dialogando com características dos elementos que são próprios da pintura, como a cor, a luz e o desenho. Com o aprofundamento destas pesquisas, Wassily Kandinsky chegou à abstração total em 1917. A pintura abstrata não procura retratar objetos ou paisagens, pois está inserida em uma realidade própria.

A abstração pode ser, porém, construída, manifestando-se em uma realidade concreta porém artificial. Esta foi a abordagem dos construtivistas e de movimentos similares. Já os expressionistas abstratos, como Jackson Pollock, não construíam a realidade, mas encontravam-na ao acaso. Este tipo de pintura abstrata resulta diametralmente oposta à primeira: enquanto aquela busca uma certa racionalidade e expressa apenas as relações estéticas do quadro, esta é normalmente caótica e expressa o instinto e sensações do artista quando da pintura da obra.

Técnica – Resumo da historia da Pintura

O segredo sãos os diversos tipos diferentes de tintas. Toda pintura é formada por um meio líquido, chamado médium ou Substâncias aglutinante, que tem o poder de fixar os pigmentos (meio sólido e indivisível) sobre um suporte.

A escolha dos materiais e técnica adequadas está diretamente ligada ao resultado desejado para o trabalho e como se pretende que ele seja entendido. Desta forma, a análise de qualquer obra artística passa pela identificação do suporte e da técnica utilizadas.

O suporte mais comum é a tela (normalmente feita com um tecido tensionado sobre um chassis de madeira), embora durante a Idade Média e o Renascimento o afresco tenha tido mais importância. É possível também usar o papel (embora seja muito pouco adequado à maior parte das tintas).

Quanto aos materiais, a escolha é mais demorada e, normalmente, envolve uma preferência pessoal do pintor e sua disponibilidade. O papel é suporte comum para a aquarela e o guache, e eventualmente para a tinta acrílica.

As técnicas mais conhecidas são: a pintura a óleo, a tinta acrílica, o guache, a aquarela, a caseína, a resina alquídica, o afresco, a encáustica e a têmpera de ovo. É também possível lidar com pastéis e crayons, embora estes materiais estejam mais identificados com o desenho.

Paisagem – Resumo da historia da Pintura

Paisagem é um conceito que tem sido utilizado nas artes e na ciência, principalmente na Geografia, na Ecologia e na Arquitetura Paisagista. De acordo com a Convenção Europeia da Paisagem: “designa uma parte do território, tal como é apreendida pelas populações, cujo carácter resulta da ação e da interação de fatores naturais e/ou humanos”.

É um conceito que mantém uma forte relação com o visual e com o imediatamente percebido. Em uma definição do senso comum, paisagem é definida como a porção visível do espaço, bem como sua representação. Contudo, sua abordagem científica vai muito além desta concepção. Numa abordagem científica, a paisagem está relacionada principalmente a padrões espaciais e processos formados pelas relações entres os componentes naturais e aqueles construídos, sendo o visível apenas um de seus aspectos.

Por incluir aspectos da natureza e sociedade, o conceito de paisagem tem sido considerado como um guarda-chuva para projetos de melhoria da qualidade ambiental e urbana, a exemplo daqueles apoiados pela Iniciativa Latinoamericana da Paisagem.

Os 5 Pintores mais conhecidos do mundo

A Arte em si já é um conceito muito antigo, e dentro da arte a pintura talvez seja a área mais conhecida. Porém, ainda que seja algo antigo, o conhecimento de muitas pessoas sobre arte ou pintores não passa de já ter ouvido falar ou visto na televisão o quadro “Mona Lisa”. E é para mudar isso que nós trouxemos hoje uma lista de 5 pintores que estão entre os mais conhecidos do mundo, contendo e um breve resumo sobre quem eles eram e fotos de algumas de suas obras.

1 – Cândido Portinari (1903 – 1962)

Grande pintor brasileiro, filho de imigrantes italianos, nascido em uma fazenda em São Paulo. Estudou na Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro e passou por diversos países europeus. Uma de suas principais características era retratar questões sociais do Brasil.

Algumas de suas obras:
“CAFÉ” – PORTINARI
“OS RETIRANTES” – PORTINARI
“O LAVRADOR DE CAFÉ” – PORTINARI

2 – Leonardo da Vinci (1452-1519)

Pintor renascentista italiano que também tinha excelente desenvoltura em áreas como arquitetura, matemática, engenharia e outras. Trabalhou grande tanto em seu país de origem como também na França, onde trabalhou para o Rei Francisco I.

Algumas de suas obras:
“MONA LISA” – LEONARDO DA VINCI
“A ÚLTIMA CEIA” – LEONARDO DA VINCI
“MADONNA LITTA” – LEONARDO DA VINCI

3 – Michelangelo (1475-1564)

Nascido na Itália, Michelangelo foi um dos maiores artistas e escultores de sua época, mesmo não tendo o apoio de seus pais no início de sua carreira. Além de pinturas e esculturas também trabalhou com arquitetura e poesia. Pintou o teto da Capela Sistina, admirada até hoje por centenas de pessoas.

Algumas de suas obras:
AFRESCOS DO TETO DA CAPELA SISTINA
JULGAMENTO FINAL

4 – Pablo Picasso (1881-1973)

Artista espanhol que trabalhou principalmente na França. Passou por diversas fases em sua carreira, como a chamada “Fase Azul”, período no qual suas obras eram predominadas por tons de azul e a “Fase Rosa”, sendo predominantes as cores rosa e vermelho. Passou também pelo cubismo e dedicou-se a áreas como esculturas e cerâmicas.

Algumas de suas obras:
“THE TRAGEDY” – PICASSO
“QUEEN ISABEL” – PICASSO
“FEMME AU MIROIR” – PICASSO

5 – Van Gogh (1853-1890)

Pintor nascido na Holanda, Van Gogh passou por cidades como Londres e Paris, onde recebeu influência de mestres do impressionismo. Sofria de depressão, cortou sua própria orelha e acabou morrendo três dias após dar um tiro em si mesmo.
“STARRY NIGHT” – VAN GOGH
PAISAGEM DE OUTONO, VAN GOGH
A PONTE LANGLOIS EM ARLES, VAN GOGH

Espero que tenha gostado, um forte abraço e até o próximo artigo.

Anúncios